MINICURSOS

MC 01 - PRINCÍPIOS A TEORIA POLÍTICA E GERAL DAS FORMAS DE GOVERNO: ARISTÓTELES, POLÍBIO, MAQUIAVEL, MONTESQUIEU E MARX.

Prof. Pedro Henrique Dantas Monteiro

Prof. Leandro Maciel de Lira

A emergência de um aprofundamento sobre o conhecimento político torna-se gritante nos dias atuais, pois a vulgarização e o falseamento deste saber compromete o próprio exercício de uma cidadania plena, que só é possível com uma educação política apropriada. Este curso tem a finalidade de introduzir um estudo sobre os princípios básicos da teoria política e das formas de governo com fundamentação nos clássicos: Aristóteles, Políbio, Maquiavel, Montesquieu e Marx. Tendo como norte, as análises e discussões de conceitos e princípios basilares da teoria política, que em grande medida, são usuais na linguagem e na prática política de nosso cotidiano. O curso contará com a análise das obras dos autores selecionados, com material esquemático, atividades direcionadas e orientação de leituras para o aprofundamento do conteúdo do curso. 

Objetivo: Analisar e discutir os conceitos e princípios basilares da teoria política e das formas de governo, que foram edificados pela tradição dos estudos e pesquisas dos clássicos ao longo do tempo.

MC 02 - FOLCLORE, CULTURA POPULAR E PATRIMÔNIO: REPRESENTAÇÕES E DISCURSOS NA CONFIGURAÇÃO DA IDENTIDADE REGIONAL/NACIONAL

Prof. Me. Daniel Barreto Lopes

Prof. Pedro Henrique da Silva Paes

O papel das instituições culturais na construção de espaços patrimoniais se dá pela mobilização de exercícios reguladores de memórias. Nessa perspectiva, buscamos debater a questão da apropriação do folclore do Nordeste mediante o trabalho com fontes visuais de objetos pelo Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular-CNFCP/IPHAN. Pretendemos discutir como o folclore, a partir da classificação de objetos coletados pelo CNFCP, são agenciados como patrimônio nacional pelo discurso da valorização da diversidade regional. Calcado no discurso de resgate das raízes tradicionais, problematizamos programas e projetos de criação de uma identidade nacional pela via da cultura popular, que nasce como um conceito elaborado pelas elites letradas para se apropriar das manifestações culturais populares, exercendo, sobre elas, uma censura, transformando-as em mote para uma cultura nacionalista ou regionalista (ALBUQUERQUE JR., 2008).

Objetivo: Trabalhar conceitos históricos como folclore, patrimônio, região, cultura e identidades, demonstrando, sob a perspectiva teórica da História Cultural, como o folclore é agenciado como elemento formador de espaços de memória e de identidades diante do acervo de bens do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular-CNFCP/IPHAN. Ainda sob a perspectiva da construção discursivas regionais/nacionais, discutiremos a cultura popular a partir de apropriações realizadas pelo patrimônio imaterial do Iphan na contemporaneidade.

MC 03 - CONTRACULTURA, UNDERGROUND E SENSIBILIDADES: ENTRE O PRESENTE E O PASSADO

       Prof. Dr. Antônio Paulo Rezende

Prof. José Dário dos Santos

Buscando dialogar com a presença do Underground no contemporâneo e com as implicações teóricas que o conceito de contracultura apresenta para o trabalho do historiador propomos esse curso de curta duração. Aproximando-se de pensadores como Herbert Marcuse, Theodor Adorno, Lyotard e também de nomes da literatura norte-americana como Ken Kesey e Jack Kerouac entendemos essa proposta como uma possibilidade de reflexão e leitura que vem ajudar aqueles que possuem interesse nos estudos do fenômeno contracultural.

Objetivo: O curso tem por objetivo discutir as possibilidades e implicações do conceito de contracultura a partir de seus múltiplos discursos, vozes e atores. Passeando por variadas tendências que vão dos estudos de alguns teóricos da escola de Frankfurt, pelo Maio de 68, pela contracultura norte-americana até os símbolos marcados pelo underground no contemporâneo.

MC 04 - CHEGAR E PARTIR: DOIS LADOS DE UMA MESMA HISTÓRIA. HISTÓRIA E MIGRAÇÕES

Prof. Dr. Antônio Clarindo Barbosa de Sousa
 

O Curso pretende apresentar algumas considerações em torno da questão cada dia mais emergente que são as migrações de grandes massas populacionais no Brasil e no Mundo. As migrações apontam para as transformações pelas quais vem passando o capitalismo internacional e suas repercussões sobre as vidas de pessoas do mundo inteiro. As novas massas migratórias enfrentam problemas antigos como racismo e xenofobia, mas também o isolamento étnico e cultural. Discutir estas questões com base na experiência de ter estudado as migrações para o estado de SP nas últimas duas décadas nos permite pensar quais os destinos destas populações e como os historiadores(ras) podem estudar este tema tão candente para os nossos tempos.

Objetivo: Apresentar os resultados de uma pesquisa sobre migrações, apontando as possibilidades de estudos nesta área da história, da sociologia e da psicologia das massas, gerando novos debates e possibilidades de pesquisa sobre o tema MIGRAÇÕES.

[CANCELADO]MC 05 - O DISCURSO DA HISTÓRIA E A ANÁLISE DO DISCURSO – QUESTÕES PARA LER, PENSAR, ESCREVER

           Profa. Me. Raquel Silva Maciel

           Prof. Me. José dos Santos Costa Júnior

Ao decidir operar com a análise do discurso na escrita da história o historiador/a lida com certa materialidade, uma prática instituidora de sentidos, mobilizada por diferentes relações, regras de formação e repertórios culturais. Portanto, conhecer como se formou o campo da Análise de Discurso (AD) nos anos 1960 a partir de autores como Foucault e Pechêux permite pensar o discurso como categoria de análise. O minicurso propõe o seguinte itinerário: a) emergência da análise do discurso francesa; b) introdução às obras e categorias de Foucault, Pechêux e a reinterpretação dos conceitos foucaultianos por Pechêux; c) exercícios de análise do discurso por meio da experimentação de algumas fontes em sala de aula. Assim, pretende-se contribuir para a formação de professores/as e pesquisadores/as, reconhecendo a AD como referencial teórico-metodológico transdisciplinar que contribui para a leitura crítica da cultura e dos modos de constituição de subjetividade no passado e no presente.

Objetivo: Considerando que, como propõe Orlandi (2002) a análise do discurso se constitui como uma “disciplina de entremeio”, isto é, situada metodologicamente em diversas áreas o curso apresenta caráter interdisciplinar, possibilitando o diálogo entre o campo historiográfico e categorias de análise originárias de outras áreas como a linguística e psicanálise. Ao realizar a abordagem da análise do discurso enquanto possibilidade teórico-metodológica para o desenvolvimento de pesquisas históricas objetivamos contribuir para a formação crítica dos pesquisadores/as por meio da compreensão do contexto histórico como um processo mútuo de embate e estabilização de discursos, e das práticas sociais como processos de exclusões, incorporações e silenciamentos de formações discursivas, incitando, por isso, tanto a necessidade do desenvolvimento de tais análises quanto a percepção da construção de uma pluralidade de narrativas históricas em diferentes momentos.

MC 06 - HISTÓRIA E LITERATURA: REFLEXÕES A PARTIR DA OBRA DE JORGE AMADO E ARIANO SUASSUNA.

Prof. Me. Bruno Rafael de Albuquerque Gaudêncio

Prof. Me. Robson Victor da Silva Araújo

A proposta deste minicurso é realizar um debate das relações entre História e Literatura, a partir da obra literária de dois dos maiores nomes da literatura brasileira: o baiano Jorge Amado e o paraibano Ariano Suassuna. No primeiro momento, realizaremos um debate historiográfico geral sobre métodos e técnicas de pesquisa da literatura na historiografia, apresentando um quadro de possibilidades de pesquisa. No segundo momento, traremos - como exemplo - duas obras modelos dos dois escritores como forma de exemplificar algumas destas possibilidades: O Cavaleiro da Esperança: a vida de Luiz Carlos Prestes (1945), de Jorge Amado e Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1970), de Ariano Suassuna.

Objetivo: Levar aos acadêmicos do curso de História, e de áreas afins, alguns textos que pontuam discussões sobre as interfaces da História com a Literatura, buscando promover, por meio de debates, uma reflexão sobre as principais direções que essas questões vêm tomando apontamentos e seus impasses, limites e possibilidades da utilização da Literatura como fonte para a produção histórica.

[CANCELADO] MC 07 - HISTÓRIA E PROCESSOS CRIMINAIS: POSSIBILIDADES E DESAFIOS DOS USOS DE AUTOS DE CRIME NA PESQUISA HISTÓRICA.

Prof.  Diego Cavalcanti Araújo

Profa.  Amanda Guimarães de Sousa

Como refletir e construir uma análise histórica sobre a experiência de sujeitos marginalizados quando estes aparecem apenas sob o olhar das forças dominantes? Como superar os enunciados preconceituosos e interessados nos jogos de poder de processos criminais? Na literatura sobre as ações de sujeitos marginalizados se debateu com primazia, por muito tempo, as dimensões de importância dos atos de forte magnitude como as rebeliões, que tem um grande impacto nas relações de classe e organização social; mas a atenção às pequenas ações como roubos, fugas etc., acabaram por revelar um horizonte complexo para a análise dos historiadores, pois estas, ao contrário do que pode parecer à primeira vista, podem ter um impacto ainda maior nas relações de poder de uma sociedade (SCOTT. 2002). Portanto, o presente minicurso pretende refletir acerca dos modos de utilização dos processos criminais e fontes judiciais em recortes distintos do período colonial e do início da república buscando compreender essa tipologia nas pesquisas históricas, sob o aspecto teórico-metodológico.

Objetivo: O Minicurso tem como objetivo proporcionar reflexões teórico-metodológicas em vistas de compreender como os processos criminais e outras fontes judiciais apresentam desafios e potencialidades específicos. Além disso, destacaremos a importância e quais as possibilidades do cruzamento de fontes e contraposição dos diversos discursos presentes nos documentos nos utilizando da análise indiciária e dos jogos de escalas micro e macro. Portanto, temos como preocupação central refletir sobre como estabelecer relação em nosso repertório analítico com perspectivas que pensem a agência dos sujeitos marginalizados e suas experiências de vida como elemento de existência; ou seja, não apenas situa-lo em dinâmicas de resistência ou submissão, mas pensa-lo na complexidade da vida e dos horizontes possíveis de ação e de escolhas que, indiferentemente para nós a serem certas ou erradas, são fundamentalmente históricas. A partir disso, ressalta-se que este minicurso tenha como público principal os pesquisadores que estão iniciando pesquisas que se valem dos processos crimes como fonte ou objeto ou se interessam pelo tema, bem como os que já desenvolvem investigações.

 

MC 08 - O USO DOS MEMES NAS AULAS DE HISTÓRIA

Prof. Me. Cicero Anderson de Almeida Bezerra

O meme é um fenômeno que se baseia na recriação excessiva, coletiva, satírica e paródica de imagens, textos verbais, vídeos, que se espalham de forma viral. Trata-se de uma imagem fabricada e produzida com interesses e objetivos específicos. É portanto uma forma de linguagem com uma mensagem nem sempre explicita, que tem exercido influência inimaginável no mundo real, utilizando-se do humor. O professor de história precisa transformar as aulas de história em espaços de debate e reflexão constante sobre as narrativas produzidas e disseminadas através dos memes, refletindo sobre as mensagens fascistas, racistas, homofóbicas, sexistas, xenofóbicas e de todas as formas de intolerância. O desafio que se coloca é o de inserir os alunos em um contexto de questionamento permanente. Os memes disputam as memórias e o conhecimento histórico construído e sistematizado ao longo dos processos históricos. Se os memes interferem nas aulas de história, eles podem ser utilizado a favor delas.

Objetivo: *Promover uma reflexão acerca dos memes e e de seus usos nas aulas de história,
*Analisar criticamente os memes, de modo a perceber a constante disputa das memórias, daquilo que é de fato conhecimento histórico construído e sistematizado ao longo de processos históricos.
*Conhecer memes didáticos e relacionaá-los com conteúdos estudados na disciplina de história;
*Produzir memes com conteúdos que possam ser utilizados nas aulas de história.

MC 09 -  HISTÓRIA CULTURAL DAS RELIGIÕES

Prof. Dr. Alfredo Ferreira de Souza

Prof. George Brendom Pereira dos Santos

 

A virada cultural ocorrida na década de 1970 permitiu a criação de novas abordagens e de novos objetos para o estudo da História. A partir de suas reflexões teórico-metodológicas, a História das Religiões ganhou uma nova análise cultural, reformulada a partir de novas temáticas e novas perspectivas. Essas desempenham um importante papel para a construção de identidades, alteridades, e para o delineamento das relações sociais de gênero, de classes e entre as etnias, estabelecendo novos parâmetros a partir das apropriações culturais e históricas em diferentes estratégias e práticas cotidianas, nas representações, nas posições hierárquicas e nos diferentes espaços sociais.

Objetivo: A proposta do presente minicurso é apresentar as questões sobre os estudos de História Cultural das Religiões. Desde a Fenomenologia, passando pela Escola Italiana e pela História Cultural, pretende-se analisar a importância de suas propostas, a maneira como ela contribui para os estudos históricos, e nos ajuda, enquanto historiadores, a escrever novas narrativas sobre o mundo e suas crenças.

MC 10 - HISTÓRIA DA LOUCURA E DAS PRÁTICAS PSIQUIÁTRICAS NO BRASIL: LIMITES E POSSIBILIDADES DE PESQUISA

Profa. Dra. Helmara Giccelli Formiga Wanderley

Deseja-se conhecer as relações de poderes-saberes de juristas e médicos sobre o louco(a) e loucura, o que legitimou as práticas sociais, econômicas, políticas e culturais de banimento, seqüestração, tolerância e/ou aceitação de tais sujeitos nas vilas, cidades e nas passagens brasileiras. Trata-se, portanto, de abordar a história da loucura e das práticas psiquiátricas como objetos de estudo da História, a partir da Nova História Cultural, da História Social e da Nova História Política. Serão apresentadas questões gerais de caráter teórico-metodológico, estudos de casos, diversidade de fontes e documentos, possibilidades de pesquisas, bem como, as dificuldades e limites das pesquisas sobre a loucura e as práticas psiquiátricas no contexto de Reforma Psiquiátrica de caráter antimanicomial.
O Tema do curso encontra sua justificativa em questões atuais, quais sejam: a desinstitucionalização da loucurae a inserção social dos sujeitos nomeados pelos saberes médicos como doentes mentais. Dito isto, (re)conhecer a história da loucura e das práticas psiquiátricas no Brasil é de suma importância para a compreensão do movimento de Reforma Psiquiátrica atual.

Objetivo: O curso objetiva apresentar uma visão histórica acerca do louco(a), da loucura e da institucionalização dos loucos(as) no Brasil e, em especial, no Estado da Parahyba do Norte, entre os anos 1830 e 1930.